INDIOS ISOLADOS PARTE I

Índios isolados na Amazônia peruana fazem contato pela 3ª vez na história
O tráfico, a extração de madeira e o turismo ilegal levam riscos às tribos.
No contato com outros índios, os isolados buscam principalmente alimentos.

O Profissão Repórter registrou um momento raro: um grupo de índios isolados e desconhecidos fez contato em uma vila, na Amazônia peruana. Nossa equipe fez uma expedição a uma das regiões mais remotas da floresta e revela como estes povos estão ameaçados de extinção. Os madeireiros e o turismo ilegal pressionam povos isolados e faz com que apareçam na fronteira do Acre com o Peru. No Brasil, um grupo de índios fez seu primeiro contato há dois meses.
Um vídeo feito em 2013, na parte peruana da Amazônia, mostra um grupo de índios fazendo contato. É a primeira tentativa de comunicação deles desde 2000. Quem grava as imagens é outro índio, de uma tribo já conhecida, que faz parte da Associação de Proteção aos Povos do Rio Madre de Dios.
Os repórteres Thiago Jock e Emílio Mansur viajam para o Peru com João Pavese, um brasileiro que está fazendo um documentário sobre os isolados. Ele trabalha há dez anos com grupos indígenas.
Cuzco é a primeira parada. De lá partem os turistas para várias regiões do país. Há dois anos, ONGs internacionais denunciam que guias levam turistas ilegalmente até as áreas dos índios isolados. Os passeios para as regiões onde vivem os isolados são como safáris humanos e são um risco para os índios, que não têm defesas para as nossas doenças.

Os índios isolados têm contatos com turistas, madeireiros e missionários, que tentam catequizar os povos oferecendo ferramentas e roupas. Segundo ativistas peruanos, o resultado desse contato é devastador.
O índio e sociólogo Hector Sueyo explica que os madeireiros apresentam maior risco aos povos isolados. Grandes áreas de mata virgem são derrubadas para a extração de madeira. Marcas da presença dos madeireiros estão por todo caminho, mas a principal delas é o assassinato de quatro líderes indígenas. O fato foi notícia em todo o mundo e aconteceu um dia antes da chegada de nossa equipe ao rio Madre de Dios.
A viagem até a região dos isolados leva sete dias de barco. A cada 12 horas de viagem, a equipe acampa na margem do rio. Durante uma dessas pausas, Hector conta que o primeiro contato de seu pai foi com missionários espanhóis, na década de 60. Os espanhóis sobrevoavam a área em pequenos aviões e jogavam ferramentas e doces para os índios. O contato da tribo com esse material contaminou boa parte deles com sarampo e varíola, matando mais da metade da tribo nos primeiros anos após o contato.
Pouco tempo depois de nossa equipe chegar à comunidade de Monte Salvado, os índios isolados apareceram pela terceira vez na história. A relação entre as tribos é de medo. Rapidamente os isolados recolhem as bananas e cordas oferecidas em canoas, para evitar o contato direto. O grupo permaneceu na região por três dias. O céu nublado foi o anúncio da partida. Eles sabem que a chuva apaga os rastros que deixam pelo caminho e assim voltam a ser parte de uma Amazônia desconhecida.