A.C.Camargo Cancer Center / Dr. Fernando Gentil – Inovação e Pioneirismo na Cirurgia Oncológica

Fernando Gentil nasceu em 1920, numa abastada família de nove irmãos. Seu pai era um dos donos do Banco Frota & Gentil. Aos 16 anos, foi morar no Rio de Janeiro, onde cursou Medicina na Universidade Federal. Formou-se aos 21 anos. Nos anos 40, durante a Segunda Guerra Mundial, seguiu para os Estados Unidos e se especializou no Memorial Sloan-Kettering, de Nova Iorque. Lá, foi assistente até 1949 de George T. Pack, uma das maiores autoridades em cirurgia oncológica e um dos primeiros a acreditar na quimioterapia como forma de combate ao câncer.
Gentil retornou ao Brasil no final da década de 1940 e atuou como cirurgião no Hospital do Servidor Público, do Rio de Janeiro, até ser convidado por Antônio Prudente para chefiar o Departamento de Cirurgia Pélvica do A.C.Camargo Cancer Center.
Em meados dos anos 70, o cirurgião Fernando Gentil propôs uma cirurgia conservadora para o câncer da mama, que consistia em remover do lado do tumor, a glândula mamária, sempre que possível preservando-se o complexo areolomamilar associada à linfadenectomia axilar e do lado oposto removia-se a glândula, preservando-se o complexo areolopapilar. Na reconstrução foram usadas próteses de silicone colocadas abaixo dos músculos peitorais. Os resultados estéticos deste procedimento são extremamente gratificantes, quando comparados à mastectomia radical.
Cinco anos depois, ao apresentar os primeiros resultados desta cirurgia em uma reunião científica no próprio A.C.Camargo, onde estavam presentes Umberto Veronesi, de Milão; Urbam, do MSKCC, Adair Eiras, do INCA e José B.S.Neto, do A.C.Camargo, defensores da cirurgia de Halsted – a cirurgia radical das mamas – Gentil foi deselegantemente criticado por eles. Mais tarde, recorda-se o oncologista Ademar Lopes, que trabalhou com Fernando Gentil e assumiu a direção da Cirurgia Pélvica após sua morte, os mesmos colegas começaram a adotar um procedimento cirúrgico até mais conservador, que é a quadrantectomia associada ao esvaziamento axilar.
Fernando Gentil foi um dos primeiros brasileiros a ter um treinamento formal em Cirurgia Oncológica, sob a forma de Residência Médica. Cearense de origem, se graduou pela Universidade Federal do Rio de Janeiro numa época em que o aluno do sexto ano, auxiliado pelos professores, provavelmente fazia mais cirurgias que faz um concluinte do programa de Residência Médica nos dias atuais.
Gentil, ao morrer em 1989, tinha mais de quatrocentos casos de cirurgia conservadora para o câncer de mama, representando assim, um marco na história deste tipo de cirurgia. Os primeiros sessenta casos desta cirurgia estão publicados no Journal of Surgical Oncology,14: 173-93 (1980). Ele nomeia um Complexo Ambulatorial direcionado ao tratamento de tumores como próstata, pênis, bexiga, estômago, intestino, esôfago, dentre outros.